Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Sétima leitura do #bookbingoleiturasaosol

Categoria: "Recomendado"

41.jpg

Opinião:

A primeira vez que tive conhecimento deste livro foi no canal da "a mulher que ama livros", em que ela recomendava a sua leitura, depois surgiram outras opiniões favoráveis e este ano na feira do livro de Lisboa trouxe-o comigo.

 

O livro é curto, tem "apenas" 106 páginas, mas o seu conteúdo revelou-se muito complicado de "ingerir" de uma assentada só, por isso é que levei mais de um mês para o concluir.

 

A estrutura do livro é bastante interessante, inicia com uma excelente introdução da autora, que nos vai elucidar como e porque surgiu este tema, a autora frisa que este livro não é contra os agressores e muito menos contra os homens, já que ambos os sexos são vítimas de violência.

Apesar de o sexo feminino ser o mais afectado, acho que faltou a inclusão de um testemunho masculino para que esta imparcialidade não se notasse.

 

Vão surgir três partes centrais:
Parte I
Um relato de uma adolescente, hoje com 39 anos, que assistiu ao assassinato da sua mãe às mãos do pai. O incidente deu-se na década de 90, altura em que pouco ou nada se fazia e conhecia acerca deste tipo de violência e que deixou marcas para sempre nesta filha.

 

Parte II
Nove mulheres, acolhidas em casas de abrigo (excepto uma) vão relatar as suas vivências e consequências da violência às mãos de quem lhes devia proteger e não aterrorizar. Estes relatos são intercalados com comentários de vários especialistas nesta área e com conhecimento da causa.

 

Parte III
A autora reescreve um dos contos dos irmãos Grimm, "A Menina Sem Mãos", uma metáfora da condição agredida das mulheres, mas acima de tudo a possibilidade das mulheres, corajosamente, aceitar as feridas emocionais e conseguir seguir em frente.

 

Por fim são apresentado os números, costumo dizer que o ser humano está constantemente refém de números, para tudo é nos aplicado um número, por isso é muito importante ler atentamente estes números da violência doméstica (dados de 2015), as várias estruturas de apoio para casos de violência doméstica e uma vasta bibliografia para aprofundar mais este tema, que infelizmente ainda sacrifica muitas vítimas. 

 

Este livro fez-me recuar a um passado que (quase) nunca quero recordar, mas são situações que fazem parte da minha vida e isso não posso alterar.
Era uma criança e depois uma adolescente, quando tive de assistir calada e impotente aos meus próprios "telhados de vidro", não, ninguém fez nada, não, ninguém pediu ajuda, não, tudo era ocultado...
E o que é que isto originou? Originou uma mulher em que a primeira vez que foi vítima de violência achou normal, porque era o que via acontecer dentro da sua família, felizmente, na altura já havia alguma informação, o meu amor próprio e força de vontade fizeram o resto... Tudo o que assisti e vivi fez de mim uma pessoa insegura e com vários bloqueios na minha personalidade... Mas não vivo só com o trauma da minha própria violência, apesar desse incidente consegui libertar-me (pouco a pouco) e construir uma vida feliz, vivo sim e não consigo seguir em frente, com a revolta de alguém que amo ter passado pelo que passou e ninguém ter colocado um ponto final...

Diz-se que "colhemos o que semeamos" e eu concordo plenamente... 

 

«As crianças vítimas de violência doméstica vão ser adultas repletas de medos. Sejam do tipo impulsivo ou introvertido, vão ter muitos medos. Reagem demasiado aos estímulos, sobretudo negativos, ou ao que as pessoas lhe dizem. Pensam;" Aquela pessoa não gosta de mim, nunca ninguém vai gostar de mim". A ansiedade vai estar sempre presente. É a falta do lugar seguro.»

5-estrelas.jpg

Copyright-Paulo-Sousa-Coelho1-300x199.jpg

 

Carla Maria Almeida, nasceu em Matosinhos, em 1969, é jornalista freelancer, escritora, formadora e tradutora na área do livro infantil. Actualmente é responsável pelas páginas de divulgação e crítica de livros para crianças na revista LER. Licenciada e pós-graduada em Comunicação Social pela Universidade Nova de Lisboa, tem uma pós-graduação em Livro Infantil pela Universidade Católica Portuguesa. Os direitos dos seus livros já foram vendidos para: Alemanha, América Latina, Itália, Brasil, Holanda, Sérvia.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:07


4 comentários

Imagem de perfil

De Cláudia Oliveira a 20.09.2017 às 20:40

E quando um livro nos faz sentir o que este livro faz só pode ser bom e recomendado. Excelente partilha, espero que muita gente tenha acesso a este livro e o leiam!
Imagem de perfil

De Tânia Tanocas a 20.09.2017 às 21:00

Gosto muito quando os livros "mexem" com os meus sentimentos...
Não é fácil para muitas pessoas lerem sobre alguns temas, mas também desejava que este livro chegasse a muitas pessoas, costumo dizer que é a ler que nós conseguimos "abrir" a mente para certos problemas...
Obrigado por partilhares leituras que muitas das vezes nos passam ao lado...
Beijokas e boas leituras...
Sem imagem de perfil

De Jardim de Mil Histórias a 28.09.2017 às 16:39


Olá Tânia,
Já li alguns livros sobre violência doméstica e são duros. Este ainda não li. Mas gosto dos livros desta colecção. São excelentes.
Beijinhos e boas leituras
Imagem de perfil

De Tânia Tanocas a 11.10.2017 às 00:26

Este é o primeiro livro que leio desta colecção, mas tenho outros para ler, gostei das outras temáticas por eles abordadas... O melhor é que são ensaios baratinhos e com bastante conteúdo...
Este tema nunca é um tema leve, mas gostava que muitas pessoas tivessem a coragem de ler estes relatos, para poderem encarar o flagelo da violência domestica com outros olhos...
Beijokas

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Opinião em Breve...


Estou a Ler...



Goodreads

2017 Reading Challenge
Tânia Tanocas Já leu 47 livros... A meta é de 50 livros...
hide




Mensagens