Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


"Mr. Clarinet" de Nick Stone - Opinião

por Tânia Tanocas, em 20.09.17

Oitava leitura do desafio #bookbingoleiturasaosol
Categoria: "Passado num continente diferente"

Leitura também inserida no desafio #septemberthrills

42.jpg 

Opinião:

Este é um dos livros, que quem ler a sinopse jamais vai imaginar o conteúdo avassalador que o espera.
Aconteceu comigo, pensei que seria uma investigação de rapto, que com toda a certeza teria alguma peripécias e perigos pelo meio, mas o que fui lendo revelou-se uma ficção inserida na dura realidade da vida dos haitianos.

 

Haiti, um país inserido na América Central, referente ao continente americano, um país que estamos habituados a ver como paradisíaco, com paisagens únicas, mas a realidade diária deste povo é bem diferente e por incrível que pareça este livro aborda de forma exemplar a sua (sobre)vivência desumana, a economia deste povo é a mais pobre do continente americano.

 

Conhecemos Max Mingus que vai ser aliciado a partir para o Haiti em busca de um menino, alegadamente, raptado, apesar do falhanço e destino dos seus antecessores, Max aceita a missão, mas vai enveredar por caminhos altamente minados. Na cultura do povo haitiano ainda persiste o culto da magia negra, o chamado vudu, rituais, os feiticeiros "ajudam" aqueles que não encontram mais nenhuma esperança do que submeter-se a este tipo de lavagens cerebrais. Inclusive, Mr. Clarinet retrata uma peculiar superstição, acerca de um mostro que hipnotiza crianças quando toca clarinete, acabando por as raptar.

 

Para ser bem sucedido Max, vai ter de lidar com o fanatismo deste culto e o que descobre vai deixar qualquer um de boca aberta, com consequências nunca antes imaginadas.
Cheguei ao fim deste livro com o terrível pensamento: até que ponto a realidade mistura-se com a ficção, ou vice versa?! Tive de fazer algumas pesquisas extras, pois alguns factos abordados eram demasiados fantasiosos (a meu ver) para serem verosímeis, mas infelizmente correspondem à realidade.

 

Também ficamos com uma noção de como é que aquele país foi liderado pelos vários governantes e acima de tudo como é que chegou ao ponto de ruptura, quer seja política e social. Compreende-se perfeitamente o porquê de haver tantas pessoas a querer uma oportunidade noutro local, que não a sua terra natal.

 

O autor escreve de uma forma, em que a descrição da miséria é tão realista que por momentos, senti o cheiro da podridão, mas acima de tudo a indignidade que se apoderou de mim foi o suficiente para (diversas vezes) ter uma bola na garganta e pousar o livro. Esta leitura tem uma das cenas mais fortes que eu alguma vez li, uma descrição de uma tortura extremamente diabólica.

 

Apesar de tudo, foi um livro que conseguiu deixar-me constantemente empolgada na sua estória, querendo chegar ao fim o mais rápido possível.
Chocou-me o seu conteúdo, conhecer o Haiti desta forma deixou-me triste, bastante triste...

 

Nick Stone, deixou em aberto o rumo de Max Mingus, rumo esse que eu adorava acompanhar, mas infelizmente não existe mais nenhum livro do autor em Portugal, de salientar que este livro faz parte da já extinta editora "Difel", colecção Nocturnos, uma colecção que eu adoro.
Tenho pena de só agora ter conhecido o Max, principalmente, das várias vezes que hesitei ao pegar nele, mas acho que ainda fui bem a tempo...

 

"A tradição oral consegue manter coisas vivas com mais facilidade do que os livros. O papel arde."

 

"As mulheres fazem o trabalho todo neste país excepto mandar. Se mandassem, o Haiti não estaria na merda em que está."

 

"Os mentirosos tropeçavam em inconsciência e impossibilidades, por vezes nos pormenores mais insignificantes, nas pontas soltas que, quando puxadas, destruíam toda a tapeçaria."  

5-estrelas.jpg

nickstone.jpg

 

Nick Stone nasceu em Cambridge a 31 de Outubro de 1966, filho de pai escocês e mãe haitiana, fez formação na Universidade de Cambridge.

Mr. Clarinet foi o seu primeiro livro no mundo da escrita, acabou por ser o vencedor do Ian Fleming Steel Dagger, para o melhor thriller de 2006.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:20


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Jardim de Mil Histórias a 28.09.2017 às 16:38

Olá Tânia,
Esta capa é assustadora!! Gostei muito da tua opinião :)
E não conhecia o livro. Parece bom!
Beijinhos e boas leituras
Imagem de perfil

De Tânia Tanocas a 11.10.2017 às 00:29

Eu gostei muito, é da minha editora preferida, já o tinha à muitos anos na estante, desta vez foi de vez e só tenho pena de não o ter lido mais cedo...
Beijokas...

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Opinião em Breve...


Estou a Ler...



Goodreads

2017 Reading Challenge
Tânia Tanocas Já leu 60 livros... A meta era de 50 livros...
hide




Mensagens