Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Nunca é tarde... Projecto - #marçofeminino

por Tânia Tanocas, em 09.03.18

20910044_ca6au.jpeg

Acho que nunca é tarde para incentivar outros leitores e divulgar este projecto... 

Desde o início do mês de Março que estou empenhada neste desafio, que apesar de já ser repetente, não deixa de ter o mesmo prazer e entusiasmo.  

A impulsionadora, para quem não se lembra, ou não sabe, é a menina Sandra do blog sayhellotomybooks.

 

Até ao momento já completei três leituras e estou a meio de mais duas. 

Leituras completas (ainda sem opiniões):

11516408.jpg

I) "A Condessa Sangrenta" de Alejandra Pizarnik

 

38356516.jpg

II) Dois contos - "Dores" de Maria Teresa Horta e "Chave de Entendimento para uma Sinfonia Perdida" de Patrícia Reis

 

9474741.jpg

III) "O Castelo de Vidro" de Jannette Walls 

 

Leituras em andamento:

38451675.jpg

IV) "Caraval" de Stephanie Garber

 

11532774.jpg

V) "A Câmara Escura" de Minette Walters

 

Façam óptimas leituras no feminino e dê o vosso contributo com a astag #marçofeminino. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:00

14.jpg

Opinião: 

Tinha este livro para ler à alguns anos, apaixonei-me por Philippe Claudel, ao ler "Almas Cinzentas", "A Neta do Senhor Linh" e "Desiso", a partir daí tudo o que se editou do autor eu adquiria sem querer saber sequer do que se tratava e por incrível que pareça só à pouco tempo descobri que este livro tinha a II Guerra Mundial como um dos panos de fundo.

 

Mas não foi por isso que peguei nele, depois de ter lido "A Morte de Ivan" confesso que fiquei melancólica e desejei ler algo que eu tivesse a certeza que iria adorar. Logo nas primeiras páginas tive a certeza de que tinha feito a escolha certa.

 

"Chamo-me Brodeck e não tive culpa de nada. 

O meu nome é Brodeck. 

Brodeck. 

Por favor, lembrem-se. 

Brodeck."

 

É complicado escrever sobre este livro, acho que nada conseguirá fazer justiça ao seu conteúdo. Só lendo "O Relatório de Brodeck" teremos realmente a noção de que este é mais um livro (injustamente) perdido, sem lhe darem o devido valor. 

 

Numa aldeia (que nunca sabemos o nome), temos a noção de que a guerra terminou há pouco mais de um ano, uma aldeia que fora bastante fustigada, assim como tantas outras, o que distingue essa aldeia de outras é que nenhum desconhecido havia aparecido nos últimos tempos, por isso quando um dia surge um forasteiro com os seus modos e hábitos esquisitos, toda a população fica em alerta. 

 

Desconhecemos o nome deste forasteiro e quais as suas verdadeiras intenções em se instalar na povoação, o que é certo é que este homem vê a sua vida em risco, quando expõe alguns dos seus desenhos, caricaturas que elaborou dos habitantes, só com a ajuda do seu hábito de observação, desenhos que não são bem aceites pelos retratados. 

 

Brodeck, o escrivão da aldeia, é um homem que (infelizmente) vê o destino desafiar a sua vida várias vezes, numa dessas vezes por causa de um simples naco de manteiga, parece surreal, mas por vezes, é nas pequenas coisas que a vida nos dá enormes lições. Será ele que vai deslindar a história da aldeia e dos seus místicos habitantes ao elaborar um relatório a pedido dos homens mais influentes da população. 

 

Mas Brodeck que desde o início afirma que nada tem a ver com o caso, decide não só elaborar um relatório, mas dois, um com a versão que todos querem ler e outro com a verdade que mantém escondido, o leitor vai ficando a par dos dois relatórios ao mesmo tempo, uma viagem não só por entre os habitantes da aldeia, mas também pelos meandros da sua própria vida. 

 

Brodeck, certamente ficará na minha memória, não porque ele implora, muito menos por piedade, mas porque realmente ele merece jamais ser esquecido. 

 

"Internaram-me longe, num lugar do qual se ausentara toda a humanidade e onde só restavam animais sem consciência de que haviam adquirido a aparência dos homens." 

 

"As pessoas falam muito e muitas vezes para não dizerem nada."

 

"A raposa é um animal curioso, sabes. Chamam-lhe matreira, mas na realidade é bem mais do que isso. Os homens sempre a detestaram, sem dúvida por se lhes assemelhar. Caça para se alimentar, mas também é capaz de matar unicamente por prazer."

 

"Habituamo-nos a tudo. Há pior do que o cheiro a merda. Há muitas coisas que não cheiram a nada, mas que apodrecem os sentidos, o coração e a alma sem dúvida mais do que todos os excrementos."

 

"Sei como o medo pode transformar um homem. 

Não o sabia, mas aprendi. No campo de concentração. Vi homens aos gritos, a bater com a cabeça contra as paredes de pedra, a lançarem-se sobre arames cortantes como lâminas. Vi-os defecar nas calças, até se esvaziarem completamente, vomitar, expulsar tudo o que continham de líquido, de humores, de gases. Vi alguns rezar e outros renegar o nome da Deus, cobri-lo de sânies e injúrias. Assisti mesmo à morte de homens. Morreu de medo, depois de ser escolhido ao acaso pelos guardas como o próximo a ser enforcado. E quando o guarda parou à sua frente e lhe disse, rindo: «Du», o homem permaneceu imóvel. O seu rosto não deixou transparecer nenhuma emoção, nenhuma perturbação, nenhum pensamento. No momento em que o guarda começou a erguer o bastão, o homem caiu redondo no chão, antes que o outro lhe tocasse. 

O campo de concentração ensinou-me este paradoxo: o homem é grande, mas nunca estamos à altura de nós mesmos. Esta impossibilidade é inerente à nossa natureza."

 

Passou a ser o livro mais sublinhado dos últimos tempos, decididamente será motivo mais do que suficiente para ser um favorito e um dia fazer uma releitura. 

5.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:30

13.jpg

Opinião:

Um livro de não ficção, que mais parece uma ficção de tão inusitado que é.

 

Passava 58 segundos da 1h23 da madrugada do dia 26 de Abril de 1986, iniciava-se a maior catástrofe nuclear da história, o maior desastre tecnológico do século XX, cujos efeitos ainda hoje são sentidos. O reactor n° 4 da central nuclear de Chernobyl era destruído após uma série de explosões, deixando um rasto (invisível) de destruição.

 

"No nosso solo já se encontravam dezenas de toneladas de césio, iodo, chumbo, zircónio, boro, uma quantidade desconhecida de plutónio (os reactores RBMK a urânio e grafite, de modelo usado em Chernobyl, produziam plutónio militar com que se fabricava as bombas atómicas) - no total uns quatrocentos e cinquenta tipos de radionuclídeos. A quantidade equivalia a trezentas e cinquenta bombas largadas sobre Hiroxima." Vassíli Nesterenko, antigo director do instituto de Energia Nuclear da Academia de Ciências da Bielorrússia

 

O comunismo russo ou ditadura socialista, queriam forçosamente ser pioneiros neste tipo de energia, eram tão sedentos de egocentrismo que descuidaram a precariedade do seu funcionamento e dos graves problemas de segurança da central nuclear, não esquecendo também o erro humano, que foi o maior dos culpados nesta tragédia, quer antes, durante e até depois.

 

"Os Japoneses demoraram doze anos até iniciar a operação deste tipo de infraestruturas, nós fazíamos o mesmo em dois ou três anos. A qualidade e a segurança de um obra especial eram iguais à de uma exploração pecuária. Às de um aviário! Quando faltava alguma coisa, descartava-se o projecto e fazia-se a substituição com o que estivesse à mão. Assim, o telhado da sala das máquinas foi coberto com betume. Foi esse betume que os bombeiros tiveram de apagar. Quem é que dirigia essa central nuclear? Na direcção não havia um único físico nuclear. Havia engenheiros electrotécnicos, engenheiros de turbinas, funcionários políticos, mas não havia um único especialista. Nem um único físico..."

 

Foi tão egoísta o heroísmo soviético que não soube proteger a sua população, lançado-a para uma emboscada em nome de sabe-se lá do quê e com a agravante de lançarem o engodo do dinheiro, o que há a temer do que não se vê ou sente, quando a recompensa é mais do que suficiente para alimentar a família durante meses...
Na era soviética, comunismo ou ditadura socialista, o lema das populações é dizerem "nós" e não "eu", só assim conseguimos, tentar, compreender as motivação que levaram as pessoas a alistar-se, voluntariar e acatar as ordens de trabalhos em zonas afectadas, sem qualquer tipo de protecção ou preocupação, cujos efeitos só surgiriam mais tarde.

 

"Está um tractor a lavrar. Pergunto ao funcionário do comité distrital do Partido que nos acompanha:
«O condutor está protegido pelo menos com máscara respiratória?»
«Não, trabalham sem máscaras.»
«Porquê, não as receberam?»
«Qual quê! Recebemos tantas, que vão durar até ao próximo século. Mas não as distribuímos. Para não criar pânico. Senão fogem todos! Vão-se embora daqui!»
«Mas que asneira andam vocês a fazer?»
«Para si é fácil falar, professor! Se for despedido, há-de encontrar outro trabalho. E eu, para onde vou?»
Mas que poder! O poder desmedido de um ser humano sobre outro ser humano. Isso já não é enganar, é travar uma guerra contra inocentes..." Vassíli Nesterenko, antigo director do instituto de Energia Nuclear da Academia de Ciências da Bielorrússia

 

O que fez a "amada" União Soviética, ou não, para proteger as suas populações, o ambiente, fauna e flora envolvente, os países (Escandinávia, Europa Central, Reino Unido, Grécia, etc) que foram atingidos pela nuvem reactora?!
Não são estas respostas que a autora Svetlana Alexievich quer ver respondidas, sobre o acontecimento em si já muito se escreveu, o objectivo deste livro é recolher o quotidiano dos sentimentos, dos pensamentos, das palavras, a vida de um dia comum das pessoas comuns.

 

A autora levou 20 ano a concluir esta obra, encontrou-se e falou com antigos trabalhadores da central nuclear, liquidadores, cientistas, médicos, soldados, cidadãos que residem ilegalmente na zona proibida de Chernobyl, crianças, pessoas comuns com tanto ainda por desabafar, tentou encontrar algum fundo de verdade, consolo e alguma compreensão nos relatos dos muitos anónimos (na altura) que desde o primeiro momento estiveram no teatro das operações e que desde essa data tiveram as suas vidas marcadas, não apenas por uma efeméride, mas por toda a sua existência.

 

Sem dúvida que este livro é um marco na nossa história, desde o prefácio de Paulo Moura (repórter), passando pela introdução histórica, o cunho pessoal da autora ao fazer um capítulo em que se auto denomina de "Uma Solidária Voz Humana" e depois culminando nos relatos impressionantes dos protagonistas.

 

Na era soviética, comunismo ou ditadura socialista, o lema das populações é dizerem "nós" e não "eu", só assim conseguimos, tentar, compreender as motivação que levaram as pessoas a alistar-se, voluntariar e acatar as ordens de trabalhos em zonas afectadas, sem qualquer tipo de protecção ou preocupação, cujos efeitos só surgiriam mais tarde.

 

Heróis ou Suicidas?!... É somente esta pergunta que predomina no leitor depois de terminar a leitura, fiquei com muitas questões, mas sem dúvida que esta questão vai durar para sempre na minha memória.

 

"Durante a Segunda Guerra Mundial, os nazis destruíram 619 aldeias bielorrussas, juntamente com os seus habitantes. Em resultado de Chernobyl, o país perdeu 485 aldeias e povoações. Destes, 70 foram permanentemente soterrados. Durante a guerra, 1 em cada 4 bielorrussos foi morto; hoje em dia, 1 em cada 5 bielorrussos vive em terrenos contaminados. São 2,1 milhões de pessoas, das quais 700 000 são crianças."

 

"Uma ucraniana vende no mercado grandes maçãs vermelhas: «Quem quer maçãs? Maçãs de Chernobyl?» Alguém aconselha: «Ó mulher, não digas que são de Chernobyl, que ninguém tas compra.» «Não se preocupe! Então não compram! Há quem compre para a sogra, há quem compre para o chefe.»"

 

"Esta é a minha história... Contei-a... Porque comecei a fotografar?
Porque não tinha palavras que chegasse..." Víktor Latún, fotógrafo

 

"Percebi que só o tempo vivo tem um sentido... O nosso tempo vivo..." Valentin Borissévitch, antigo chefe do laboratório do instituto de Energia Nuclear da Academia de Ciências da Bielorrússia

 

"A arte é uma recordação. A recordação de que temos existido. Temo... Só temo que o medo na nossa vida substitua o amor..." Lília Kuzmenkova, professora e realizadora

 

NOTA: Tinha dado a esta leitura uma pontuação de 4 🌟, depois de fazer esta minha opinião, não me consegui conformar, por isso alterei a classificação para 5🌟. A autora, os protagonistas, os que sofreram, sofrem e ainda vão sofrer da consequência deste desastre nuclear merecem toda a minha (nossa) consideração e que todo o infortúnio de Chernobyl seja uma chamada de atenção para todos nós. 

5.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:00


Mais sobre mim

foto do autor


Estou a Ler


goodreads.com

Goodreads

2018 Reading Challenge

2018 Reading Challenge
Tânia has read 0 books toward her goal of 50 books.
hide


Lidos 2018



Tânia Tanocas's favorite books »




Mensagens



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D